Mais Arquivos. março 2020

i-Antitrust: devolvendo seu direito de escolha!

Combate à injustiça. É exatamente o que fazemos – e continuamos a fazer. E isso inclui lutar contra grandes injustiças de larga escala…

Por exemplo, em 2017, conseguimos chegar a um acordo com a Microsoft que parou de oferecer vantagens injustas ao seu próprio produto antivírus. Certamente, a Microsoft é um Golias moderno. Mas nós somos um David dos dias de hoje! E nós precisamos ser. Pois alguém tem que enfrentar os gigantes de vez em quando, especialmente se eles começam a usar seu peso injustamente. Não fazer isso significaria que os usuários acabariam com menor poder de escolha.

Então, no ano passado, tivemos que vestir as luvas de boxe novamente para outra luta – novamente sobre uma questão antitruste, mas desta vez com outro Golias: a Apple. Se avançarmos uma ano, tenho duas novidades para te contar sobre isso…

Mas primeiro, uma rápida retrospectiva sobre o contexto.

O início – os bons tempos

Em 2008, com os avassaladores resultados de venda dos seus iPhones, a Apple abriu sua App Store. E, para preencher suas ‘prateleiras’, convidou desenvolvedores independentes a usá-la como uma plataforma para vender seu software para iOS. Os experts em TI aceitaram a oferta e trouxeram consigo milhares de aplicativos (avanço rápido de 12 anos: existem agora literalmente milhões deles). Usuários de todo o planeta estavam felizes com todo esse poder de escolha, tanto a Apple quanto os desenvolvedores independentes obtinham lucros, tudo estava bem, havia paz e harmonia e parecia que todos viveriam felizes para sempre.

Leia em:i-Antitrust: devolvendo seu direito de escolha!

Ótimo trabalho, equipe de patente

O mês passado foi um ótimo para a propriedade intelectual da Kaspersky. Tão bom receber essas boas notícias para iluminar os dias nebulosos e úmidos de março.

Tão bom receber essas boas notícias para iluminar os dias nebulosos e úmidos de março. Mas tivemos outras excelentes notícias ultimamente em termos de propriedade intelectual…

Em setembro do ano passado, pelo segundo ano consecutivo, fomos incluídos na lista dos 100 principais inovadores globais da Derwent, tornando-nos a primeira – e única – empresa russa a entrar nesse ranking meticulosamente pesquisado das 100 organizações mais inovadoras do mundo!

Alguns detalhes sobre este top 100: Todos os anos, a empresa americana independente Clarivate Analytics escolhe suas empresas mais inovadoras do mundo com base na qualidade de seus portfólios de patentes. Em particular, a Clarivate seleciona suas top 100 com base em quatro critérios a seguir:

  1. O êxito da companhia com as solicitações de patentes e as concessões conquistadas;
  2. A globalidade das inovações das patentes da companhia.
  3. Com que frequência as patentes de uma empresa são citadas em outros lugares (nos pedidos de outras empresas de TI); e
  4. O total de patentes que a empresa já conquistou.

Leia em:Ótimo trabalho, equipe de patente

Flickr photostream

  • Sochi / Sep 2020
  • Sochi / Sep 2020
  • Sochi / Sep 2020
  • Sochi / Sep 2020

Instagram

A propriedade intelectual segue dando boas notícias

Não pude deixar de notar o burburinho que nossas últimas notícias sobre patentes tiveram sobre a incrível vitória de nossos advogados da área :). Estou empolgado em manter esse fluxo de boas notícias de outra vitória bombástica poucos dias depois…

Nós saímos vitoriosos em um processo de patentes muito importante novamente! Desta vez contra a Uniloc (a mesma Uniloc que conseguiu arrancar US$ 388 milhões da Microsoft). Você deve saber que eles nos processaram pela mesma patente em 2018, mas vencemos.

Recentemente, durante uma negociação de mais um processo por violação de patente movido pela Uniloc, recebemos uma mensagem dos representantes da empresa afirmando que eles estão cansados ​​de lutar e prontos para encerrar a ação. Significado: eles estão prontos para desistir, se estivermos. Claro que estávamos, apenas sem a burocracia e dentro de uma hora. Por isso, redigimos uma declaração conjunta no para “rejeição com prejuízo”, que é um julgamento final, o que significa que o caso não está sujeito a ações adicionais.

Agora vamos ao que interessa…

Leia em:A propriedade intelectual segue dando boas notícias