Arquivos de tag para “indústria de TI”

O ano de 2020 – e o lado financeiro das coisas.

Olá, pessoal!

Já se passou um pouco mais de um ano desde que esse maldito pesadelo biológico varreu o mundo e atingiu duramente as empresas – especialmente as pequenas e médias. Quase imediatamente ficou claro que algumas empresas não sobreviveriam. Mas também me perguntei como os cibercriminosos se comportariam. E o que aconteceria com nossa empresa durante esse período potencialmente longo de quarentena?

No geral, é claro, era óbvio que o cibercrime não sofreria tanto. Os bandidos continuaram ‘trabalhando em casa’ como de costume. Nada mudou muito para eles, exceto o fato de as vítimas em potencial passarem mais tempo online devido às medidas de quarentena e bloqueios. E, claro, a internet não perdeu largura de banda (bandwidth, termo em inglês) por causa desse vírus biológico.

Mas e quanto ao nosso negócio, que luta contra esses mesmos cibercriminosos?

Há um ano, expressei minha convicção de que nossa empresa seria afetada por dois vetores: um negativo e outro positivo. Por um lado, alguns de nossos clientes enfrentariam dificuldades e alguns, infelizmente, iriam à falência. Obviamente, perderemos essas receitas. Mas, por outro lado, haveria empresas que começariam a investir mais recursos em segurança cibernética porque seus funcionários estavam trabalhando remotamente e o mundo do cibercrime provavelmente se tornaria mais ativo. Como gerenciaríamos esses dois vetores determinaria diretamente nossos próprios resultados.

Portanto, senhoras e senhores, meninos e meninas, tenho o prazer de informar que na segunda-feira, 19 de abril, anunciamos nossos resultados financeiros do ano passado. “Por que em abril?” Você pode perguntar. Porque queríamos fazer uma auditoria financeira primeiro.

E então … * rufem os tambores * …

É hora de contar os números e somar os resultados do ano passado. Até demos uma coletiva de imprensa para marcar a ocasião, informando aos jornalistas sobre nossas conquistas financeiras.

Apesar da agora notória pandemia, da crise econômica global e de todos os tipos de instabilidade e incertezas geopolíticas, nossos resultados não foram apenas bons, mas na verdade foram muito bons! Depois de um ano de cobiça, não apenas sobrevivemos, mas também crescemos! E isso apesar de uma realocação quase completa de nosso pessoal K do escritório para o trabalho remoto com todos os custos associados e reestruturação, fornecimento em massa de nossos produtos para os necessitados e todos os tipos de outras coisas imprevistas.

Beleza. Vou começar com a maior fatia: a receita global da empresa em 2020 atingiu US $ 704 milhões – um aumento de 2,8% em relação a 2019.

Leia em:O ano de 2020 – e o lado financeiro das coisas.

No topo do Top 3: transparente, para quem quiser ver

Você pode até achar que nós tivemos sorte. Que estávamos no lugar certo, na hora certa quando começamos nossa pequena empresa, já que hoje nos tornarmos o principal fornecedor de cibersegurança do mundo. Você estaria errado. Para dizer o mínimo. Deixe eu contar uma história.

Na verdade, voltando naqueles dias, logo no início de nosso trabalho com antivírus, estabelecemos uma meta para nós mesmos. Um objetivo incrivelmente ambicioso.

Eu me lembro muito bem. Meu amigo de longa data, Alexey De Mont De Rique, e eu estávamos na parada esperando nosso tram, o número seis, não muito longe da estação de metrô Sokol, em Moscou, no ano de 1992 – quando trabalhamos 12 a 14 horas por dia (‘Papai trabalhando!’, era como meus filhos me chamavam). Sugeri a Alexey que “precisamos estabelecer uma meta”. Sua resposta foi algo do tipo: ‘Ok.

Que objetivo, exatamente, você realmente acha que precisamos definir, e quão persistentes devemos ser para alcançá-lo? A resposta dele foi mais ou menos essa. Repliquei sem pestanejar: “Nosso objetivo deve ser criar o melhor antivírus do mundo!” Alexey riu. Mas ele não tentou tirar essa ideia da minha cabeça. Em vez disso, simplesmente partimos em nossa jornada para alcançar a meta – trabalhando duro e sempre com esse objetivo em nosso horizonte. E funcionou!

Mas como, exatamente?

Com muito trabalho árduo, com inventividade e de alguma forma conseguindo sobreviver e prosperar durante aqueles tempos difíceis na Rússia [Rússia dos anos 90: o colapso da União Soviética e sua economia de comando, as lutas para mudar ‘instantaneamente’ para uma economia de mercado, inflação, desemprego, ilegalidade…]. Trabalhamos sem parar. Eu detectei novos vírus; Alexey codificou a interface do usuário; e o editor de banco de dados antivírus, Vadim Bogdanov (Assembler Jedi), usou a Força para reunir as várias ferramentas de computador necessárias para me dar condições para eu executar meu trabalho. Sim, no início dos anos 90, éramos apenas três! Então depois éramos quatro, depois cinco, então…

Agora, lembre-se de como eu comecei este post dizendo que nosso sucesso não era questão de sorte? Nem de estar no lugar certo, na hora certa? Bem, confesso, havia alguma sorte envolvida: em 1994, foram realizados os primeiros “Jogos Olímpicos de Antivírus” do mundo – testes independentes de software de segurança na Universidade de Hamburgo. Claro, tivemos a oportunidade de ter realizado esse teste independente. Mas não foi sorte termos vencido!

Sim. Conseguimos o ouro (um costume que nos acompanha até hoje – como detalharei neste post). Então, quase desde o início, obtivemos os melhores resultados em Hamburgo. Era fascinante. Seguimos recebendo medalhas de ouro em outros testes independentes assim como nessa época. Viva!

Leia em:No topo do Top 3: transparente, para quem quiser ver

Flickr photostream

  • Japan / Jun 2024
  • Japan / Jun 2024
  • Japan / Jun 2024
  • Japan / Jun 2024

Instagram Photostream

i-Antitrust: devolvendo seu direito de escolha!

Combate à injustiça. É exatamente o que fazemos – e continuamos a fazer. E isso inclui lutar contra grandes injustiças de larga escala…

Por exemplo, em 2017, conseguimos chegar a um acordo com a Microsoft que parou de oferecer vantagens injustas ao seu próprio produto antivírus. Certamente, a Microsoft é um Golias moderno. Mas nós somos um David dos dias de hoje! E nós precisamos ser. Pois alguém tem que enfrentar os gigantes de vez em quando, especialmente se eles começam a usar seu peso injustamente. Não fazer isso significaria que os usuários acabariam com menor poder de escolha.

Então, no ano passado, tivemos que vestir as luvas de boxe novamente para outra luta – novamente sobre uma questão antitruste, mas desta vez com outro Golias: a Apple. Se avançarmos uma ano, tenho duas novidades para te contar sobre isso…

Mas primeiro, uma rápida retrospectiva sobre o contexto.

O início – os bons tempos

Em 2008, com os avassaladores resultados de venda dos seus iPhones, a Apple abriu sua App Store. E, para preencher suas ‘prateleiras’, convidou desenvolvedores independentes a usá-la como uma plataforma para vender seu software para iOS. Os experts em TI aceitaram a oferta e trouxeram consigo milhares de aplicativos (avanço rápido de 12 anos: existem agora literalmente milhões deles). Usuários de todo o planeta estavam felizes com todo esse poder de escolha, tanto a Apple quanto os desenvolvedores independentes obtinham lucros, tudo estava bem, havia paz e harmonia e parecia que todos viveriam felizes para sempre.

Leia em:i-Antitrust: devolvendo seu direito de escolha!

Você é uma startup com a ambição de ser uma empresa internacional?

Há mais ou menos cinco anos, lançamos nossa incubadora de empresas, um projeto que tem como objetivo desenvolver e apoiar as ideias mais interessantes de negócios que ainda estão começando. E, como temo os recursos necessários para ajudá-los, buscamos propostas inovadoras e damos “asas” para essas startups voarem.

Um dos exemplos mais bem-sucedidos da nossa incubadora de empresas é a Polys, uma ideia lançada em 2017, sobre a qual já falamos anteriormente neste blog. É uma plataforma de votação eletrônica online baseada em blockchain que oferece segurança, anonimato: uma proteção perfeita contra hackers. E, o que é mais importante, é fácil de usar e adequada para todos os tipos de votação. Acredito firmemente que o futuro da votação é online e blockchain. Os partidos políticos russos, as associações estudantis e as organizações governamentais regionais já a usaram e temos certeza de que estamos apenas observando os primeiros passos dessa iniciativa da KL.

Já temos outro projeto na incubadora: a Verisium, uma plataforma de Internet das Coisas dedicada ao envolvimento do cliente e à autenticação de produtos. É especialmente útil na indústria da moda, pois ajuda a combater a falsificação de produtos de luxo e oferece às marcas a possibilidade de acompanhar os ciclos de vida dos produtos e entender como eles “vivem” e se comportam. A Verisium já lançou uma série de projetos em conjunto com marcas de design russas que incluem roupas, chips NFC e blockchain.

Fonte

Leia em:Você é uma startup com a ambição de ser uma empresa internacional?

Giro de cibernotícias até do lado sombrio

Olá a todos!

Vamos ao próximo boletim períodico/ ocasional de cibernotícias: algumas histórias mais interessantes, recentes e até absurdas.

Hack financiado pelo Estado

Acredita-se que o governo japonês planeja hackear 200 milhões de dispositivos IoT de seus cidadãos. Isso não é ficção científica; aparentemente é real. Na verdade, é como os japoneses estão se preparando para os Jogos Olímpicos de Tóquio de 2020 – tudo dentro da lei, claro, já que é obra do governo. Então, os dispositivos da população serão hackeados por um dos métodos preferidos dos cibercriminosos: por meio de dicionários padrão de senhas. Se um aparelho é encontrado com senha fraca, os burocratas irão colocá-lo em uma lista de dispositivos inseguros. Essa relação será entregue para provedores de serviço de internet que terão de informar aos clientes, que por sua vez terão de alterar a senha. O objetivo é um teste de resiliência para as Olimpíadas, avaliando se a proteção dos dispositivos IoT no país é segura o suficiente, e tentar prevenir seu uso em ataques à infraestrutura Olímpica. O método utilizado, pode ser facilmente discutido, mas o fato que as autoridades estão fazendo algo concreto de forma preventiva é certamente algo bom. Não esqueçamos que as Olimpíadas já foram alvo dos cibercriminosos antes – e não tão longe do Japão.

¡Oops!

Um hacker de 18 anos, Linus Henze, publicou um vídeo ressaltando uma vulnerabilidade grave no MacOS – especialmente no programa Keychain, que armazena e protege as senhas dos usuários. O jovem usou uma 0-day para desenvolver seu próprio app que verifica completamente os conteúdos do keychain.

Curiosamente, Henze não planeja compartilhar sua pesquisa, nem o aplicativo com a gigante da tecnologia, já que a Apple não possui programa de caça aos bugs. O que deixa a empresa com duas opções: negociar com o expert (o que seria algo sem precedentes na Apple), ou considerar remediar o problema por si só – o que pode ou não acontecer, claro.

Nesse meio tempo, queridos leitores, não é necessário temer pela segurança de suas senhas! Já que existem gerenciadores de senhas multiplataformas. E pesquisadores – existem empresas de softwares que possuem programas de caça aos bugs.

Leia em:Giro de cibernotícias até do lado sombrio