Arquivos de tag para “Kaspersky Lab”

Os consumidores podem tomar suas próprias decisões

Além de um mercado para seus produtos ou serviços, uma empresa também precisa de recursos. Há os recursos financeiros: dinheiro; recursos humanos: funcionários; recursos intelectuais: as ideias de negócios e a habilidade de colocá-las em prática. Para alguns negócios, e até mesmo para indústrias inteiras às vezes, outro recurso é necessário: confiança.

Digamos que uma pessoa decide comprar… um aspirador de pó. A confiança é exigida do fabricante? Na verdade, não. De maneira geral, o consumidor adquire algum modelo que parece ser o adequado, tendo como base algumas variáveis, tais como as características técnicas, o design, a qualidade e o preço. A confiança não faz exatamente parte dessa equação.

No entanto, em algumas indústrias, como por exemplo na medicina ou no setor financeiro, a confiança desempenha um papel crucial. Se alguém não confia em um determinado consultor financeiro ou marca farmacêutica, essa pessoa dificilmente se tornará um cliente ou comprará um produto da empresa – na verdade, talvez nunca o faça. Isto é, até que o consultor financeiro/indústria farmacêutica prove, de alguma maneira, que merece confiança.

Bem, nosso negócio – cibersegurança – não apenas exige, como depende da confiança. Sem ela, nossa indústria simplesmente não existe. E algumas pessoas – por enquanto, vamos chamá-los de… detratores – sabem disso perfeitamente bem e tentam acabar com a confiança de outras pessoas na cibersegurança de diversas maneiras; e por diversos motivos.

Você pode pensar que há algo de errado com nossos produtos, uma vez que há quem tente atingir a reputação deles. Porém, quanto à qualidade de nossas tecnologias, estou perfeitamente tranquilo – os resultados de testes independentes demonstram por quê. As mudanças nos últimos anos são de outra ordem, trata-se de turbulências geopolíticas. E fomos pegos bem no meio disso tudo.

Uma máquina de propaganda surgiu e direcionou sua força contra nós. Um grande número de pessoas leu ou ouviu alegações infundadas sobre a KL, originadas em parte por reportagens que citam ‘fontes anônimas’ (não verificáveis). Se essas histórias são influenciadas pela agenda política ou uma necessidade comercial para aumentar as vendas de concorrentes não se sabe, mas acusações falsas não deveriam ser aceitáveis (assim como qualquer outra injustiça). Então desafiamos e desmentimos todas as declarações feitas contra nós, uma por uma. E escolho esse verbo com cuidado: desmentir (um lembrete rápido: eles nunca provaram nada; nem conseguiriam, já que efetivamente nenhum delito ou irregularidade pode ser associado à nossa conduta).

De qualquer forma, após quase um ano desde a última onda de alegações, decidi fazer uma espécie de auditoria por conta própria. Para tentar perceber como o mundo nos enxerga agora, e se as pessoas expostas a essas histórias foram influenciadas por elas. Além disso, até que ponto nossa versão dos fatos permitiu que tirassem suas próprias conclusões sobre o assunto.

E adivinhe, descobrimos que se as pessoas considerarem apenas os fatos… bem – eu tenho boas notícias: as alegações não sobreviveram! Ok, posso ouvir você dizer: ‘nos mostre as evidências!’.

Primeiro: há um ano, a maior empresa de pesquisa do mundo, a Gartner, lançou um novo projeto – o Gartner Peer Insights – para compreender como os consumidores avaliam as marcas. Muito simples, mas extremamente útil: as opiniões dos clientes corporativos são recolhidas, sendo o processo aprovado pela equipe da Gartner para garantir que não haja parcialidade de fornecedores, nenhuma agenda oculta, nada de trolls. Basicamente, você obtém transparência e autenticidade diretamente de usuários finais relevantes.

Ano passado, graças ao feedback de clientes corporativos, ganhamos o maior prêmio do projeto! Os resultados deste ano ainda não foram apurados, mas já pode ver você mesmo quantos clientes quiseram contar suas experiências conosco para a Gartner, fazendo avaliações gerais e positivas. Fundamentalmente, pode ver que não se trata de uma ‘fábrica de avaliações’: são empresas verificadas de diferentes tamanhos, perfis, localização e calibre.

A localização geográfica influencia as atitudes em relação à confiança, tornando-as distintas em diferentes regiões do mundo.

Considere a Alemanha, por exemplo. Neste caso, a confiança nas empresas é levada muito a sério. Por isso, a revista WirtschaftsWoche publica regularmente seu estudo contínuo sobre os níveis de confiança corporativos depois de consultar mais de 300.000 pessoas. Na categoria ‘software’ (atenção – não é antivírus ou cibersegurança), estamos em quarto lugar, e o nível geral de confiança na Kaspersky Lab é alto – mais alto do que o da maioria dos concorrentes diretos, independentemente do seu país de origem.

Então podemos ver o que acontece quando governos utilizam fatos para decidir se confiam ou não em uma empresa. Exemplo: semana passada o Centre for Cyber Security da Bélgica analisou os fatos relacionados à KL e descobriu que não davam suporte às alegações contra nós. Depois disso, o primeiro ministro belga anunciou que não há dados técnicos objetivos – nem mesmo qualquer pesquisa independente – que indiquem que nossos produtos possam representar uma ameaça. A essa informação, eu pessoalmente adicionaria que, hipoteticamente, eles até poderiam indicar algum perigo, mas nada diferente do que qualquer outro produto de cibersegurança de qualquer outra empresa de qualquer outro país. Porque, teoricamente, todos os produtos possuem vulnerabilidades hipotéticas. Se considerarmos nossos esforços de transparência em tecnologia, diria que nossas tecnologias representam menos ameaças do que qualquer outro.

Leia em:Os consumidores podem tomar suas próprias decisões

O fim do início na luta contra os trolls de patentes

Durante grande parte de agosto e setembro deste ano, fui forçado a ‘trabalhar de casa’, algo que normalmente não faço. Sem qualquer globetrotting/deslocamento/trabalho externo/entrevistas/palestras e outras tarefas da rotina diária de trabalho, tive tempo disponível. Então eu li. Muito. Encontrei muitas das notícias ruins habituais, mas, ocasionalmente, achei algumas boas. Particularmente, havia uma boa excelente sobre a luta contra os trolls de patentes: um tribunal distrital do Texas rejeitou o processo da Uniloc contra nós por conta da violação da patente US5490216. Essa é a famigerada patente que desde o início dos anos 2000 aterrorizou os corações de empresas de TI, adiantou o surgimento de muitos advogados de patentes, e esvaziou sem piedade os bolsos de mais de 160 (!) empresas – incluindo nada menos que Microsoft e Google.

Mas as excelentes notícias não param por aí, pessoal!…

Os esforços de toda a indústria de TI garantiram a anulação da patente-dos-infernos de TI. E não é apenas a invalidação em si que vale a pena celebrar; também digno de um brinde de champanhe é o fato de que isto anuncia sérias (ainda que bastante atrasadas) mudanças no sistema de patentes dos Estados Unidos. Claro – por enquanto “devagar e sempre”, mas pequenas mudanças são pelo menos melhores do que nenhuma; especialmente quando essas alterações têm importância global: finalmente a indústria de TI pode começar a arrancar das suas costas as patentes-parasitas, que não fazem nada além de sugar o sangue impedir o desenvolvimento tecnológico.

A bola não começou meramente a rolar, está descendo ladeira abaixo: os desenvolvedores estão mais livres no que podem fazer – protegidos contra a perseguição de donos de (perdoem meu linguajar) patentes ridículas: aquelas que descrevem coisas abstratas e por vezes descaradamente óbvias, que nem mesmo são colocadas em prática ou que são usadas apenas para ‘sugar’ desenvolvedores de tecnologias parecidas.

Dito isto, a história da patente ‘216 parece muito um thriller – tanto que pensei em recontá-la aqui para seu prazer por casos emocionantes. Então pegue um café (melhor – uma pipoca) e prepare-se para um pequeno suspense do mundo das patentes-parasitas…

Leia em:O fim do início na luta contra os trolls de patentes

Funcionalidades que você não conhece (ver. 2018): KFP!

Quando se trata de escolher uma roupa – a única coisa que penso é na funcionalidade. Embalagem, marca e status em geral não me importam. O mesmo vale para carros: se me faz chegar de A a B rapidamente, de forma segura e confortável (ar-condicionado, pelo menos), pronto.

Esse mesmo princípio de “ignorar o que não é importante” se aplica aos produtos de segurança. As pessoas deviam se considerara a proteção de fato e não aspectos irrelevantes – usados em manobras de marketing. No fim, em testes independentes detalhados, “antivírus inovadores” glamourosos mostram possuir nada além de inteligência artificial falsa e detecção AV adotada, sem falar em uma proteção cheia de buracos. São placebos, nada além disso. Portanto, para não acabar vítima desse ouro de tolo, você precisa olhar de perto como as coisas funcionam.

Claro, nem todo mundo tem tempo, paciência e conhecimento técnico para auditar os pormenores de produtos de cibersegurança e entendê-los. Entretanto, mesmo que alguém decida se embrenhar nisso, há chances de que o desenvolvedor esteja enchendo linguiça com o jargão técnico.

Com a Kaspersky Lab, por outro lado, a coisa é o contrário: temos orgulho de nossas tecnologias, publicamos abertamente os detalhes técnicos (sem encher linguiça) e nos certificamos de que qualquer um pode entendê-los se explicados apropriadamente. Finalmente, somos a empresa de cibersegurança mais transparente – ao ponto de estarmos dispostos a compartilhar nossos códigos fonte para inspeção.

Para favorecer a transparência e acessibilidade de nossas tecnologias, há sete anos, comecei uma série de artigos regulares no meu blog com a tag tecnologia, cujas publicações têm por objetivo explicar funções complexas em linguagem simples (nuances tecnológicas das quais você “não ouve falar normalmente”, acessíveis apenas em notas técnicas voltadas para nerds). Esses são os detalhes “pouco visíveis”, porém são o parafuso e a porca da nossa ciberproteção.

Ok. A introdução já foi. O artigo de hoje explica como os bancos sabem que sua conta foi hackeada.

Digamos que um dia você recebe uma mensagem de seu banco sobre “Atividades suspeitas detectadas em sua conta…”. A primeira coisa que você faz é analisar suas atividades nos últimos dias, onde você sacou dinheiro e quanto, o que comprou em lojas/ cafés ou online, etc.

No meu caso, seria assim: (i) saquei coroas norueguesas de um ATM em Longyearbyen, Svalbard, Noruega; (ii) comprei bife e cerveja uma salada e água mineral no Aeroporto de Oslo, Noruega; (iii) comprei um presente para a esposa no Aeroporto Schiphol em Amsterdã, Holanda – além de outra salada e água mineral, que sorte a minha; (iv) em algum lugar próximo a Açores, comprei acesso à internet no aeroporto; (v) saquei balboas no Aeroporto de Tocumen no Panamá; e (vi) paguei pelo jantar do grupo em um vilarejo no Panamá. Isso tudo em um dia.

Para um banco, essa lista de compras em um cartão de crédito – não registrado em nenhum dos países citados – sem dúvida parece suspeito. Quem começa o dia na cidade mais ao norte do mundo, compra um item caro logo depois num aeroporto de uma capital europeia, por fim e termina no Panamá em um banquete. Sendo que essa rota não tinha acontecido antes?

Sim, é no mínimo estranho. É fato que os bancos não podem acompanhar seus milhões de clientes. Quantos colaboradores seriam necessários? No lugar disso, possuem um sistema automatizado (como o Kaspersky Fraud Prevention (KFP)) que reconhece fraudes automaticamente com alta precisão. Ok, vamos analisar a fundo os detalhes de como o KFP protege seu dinheiro.

Cada cliente do banco tem um modo comportamental: um gráfico matemático que contém o dispositivo (computador, smartphones, tablets), contas de usuários, serviços bancários usados (ex: internet banking), e também as regras para interação entre os padrões de análise. O modelo é pautado em dados anônimos coletados sobre atividades específicas do cliente na internet e no aplicativo bancário. Crucialmente, o sistema não está interessado em transações concretas, montantes envolvidos, faturas, nomes, entre outros – o sigilo bancário se mantém. Ameaças são calculadas baseadas unicamente nos metadados técnicos e análise de ações anônimas.

Essa abordagem permite detecção automática de diferentes tipos de fraudes cibernéticas.

Exemplo 1: o cidadão X utiliza o internet banking no computador de casa. Para a autenticação ele utiliza o token USB fornecido pelo banco. Entretanto, para proteção, instalou um antivírus next-generation baseado em um sistema de inteligência artificial de ponta, certo dia, um Trojan malicioso passa por ele. Esse vírus – se valeu do fato do token ter sido deixado na entrada USB – começa a transferir dinheiro na surdina para fora da conta do Cidadão X. Entretanto, o sistema anti-fraude percebe, detectando o comportamento anômalo rapidamente, bloqueia operações e informa o departamento de segurança do banco.

Painel de controle d0 KFP

Leia em:Funcionalidades que você não conhece (ver. 2018): KFP!

Orgulhosos em continuar protegendo – não importa o que a mídia dos EUA diga

Olá, pessoal!

Acho que todo mundo ficou sabendo sobre a publicidade negativa associada recentemente à KL. As acusações da vez giram em torno de que hackers russos supostamente usaram nossos produtos para espionar e roubar segredos de serviços de inteligência norte-americanos.

Leia em:Orgulhosos em continuar protegendo – não importa o que a mídia dos EUA diga

Kaspersky 20 anos: sem parar de crescer

Chegamos aos 20 anos no mercado – muito tempo ou nem perto disso? Que tal 25 anos de desenvolvimento tecnológico contínuo? (Incluindo os cinco anos antes da formalização da KL)

Para responder essa questão, precisamos nos perguntar a idade da indústria de cibersegurança. Bem, o primeiro antivírus apareceu há 25 anos.

Isso significa que somos um dos desenvolvedores que criaram a cibersegurança! Estamos na indústria desde sua infância e continuamos até hoje, na era do big data e do aprendizado de máquina. Isso são 20 anos na vanguarda desse setor (modéstia à parte, é nosso aniversário).

Correndo o risco de parecer arrogante: pense em todas as ciberameaças que impedimos nesses 20 anos!

Claro, nunca há apenas uma versão da história. Isso não é diferente quando falamos da Kaspersky Lab.

Podemos olhar fotos dos nossos dias em um passado distante, relembrar os erros inocentes e decisões desinformadas, nossos cabelos brancos no espelho, linhas profundas no rosto e lá vai melancolia…

Por outro lado, olhando essas mesmas fotos, poderíamos simplesmente sorrir, admitir que as duas primeiras décadas não foram tão ruins para quem estava apenas começando. Tudo é percepção: você irá se concentrar nos problemas ou nos sucessos? Bem, não é preciso ser um gênio para saber do que falaremos aqui. É assim que fazemos aqui na KL: pensamos positivo. Esperamos que sirva de inspiração para você, querido leitor, fazer o mesmo.

Para o aniversário da KL, pensamos bastante sobre como poderíamos passar uma mensagem inspiradora e visual, e claro, mantendo a narrativa de nossa história (sempre com ética e prezando pela verdade dos fatos). Eis nossa proposta: vamos dar uma olhada nos aspectos curiosos da empresa ao longo dos anos – como era nos velhos tempos, o que mudou para sermos o que somos hoje, e prospectar o futuro.

Vamos começar com nosso escritório

Se voltarmos ao começo – início dos anos 90, mudamos de local seis vezes.

Aqui, por exemplo, estamos no epicentro do desenvolvimento de um dos melhores antivírus do mundo, ainda em 1994. Esse era nosso escritório inteiro! O registro como “Me Lab”, foi três anos depois, mas ainda assim, era nossa casa. Na verdade era parte da KAMI company, que produzia soluções de software e hardware na década de 90.

Inclusive, foi o primeiro ano, 1994, em que participamos de testes da Universidade de Hamburgo – uma vitória arrasadora e inesperada. Na foto acima, os sorrisos se sobressaíram à exaustão depois da notícia.

Leia em:Kaspersky 20 anos: sem parar de crescer