Mais Arquivos. março 2017

+1 Serviço de Inteligência Empresarial: Apresento nosso novo Raio-X de ciberameaças!

Seres humanos são curiosos. Faz parte de sua natureza buscar respostas para os “porquês” e “comos” a respeito de tudo e qualquer coisa. Isso é duplamente verdade para cibersegurança: entender essas diversas questões acerca de ciberameaças tratam-se dos alicerces sobre os quais a cibersegurança é construída, ou seja, sobre os quais a Kaspersky Lab  se apoia.

A obtenção de respostas para nós reflete esmiuçar um ciberataque em suas partes constituintes, analisar tudo, e se necessário, desenvolver medidas protetivas específicas. É sempre mais interessante tomar essas iniciativas de maneira proativa, baseando-se em erros alheios ao invés de esperar até que sejamos o alvo.

Para lidar com esse desafio temos uma nova solução para empresas. Nessa coleção de ferramentas de ciberprecisão há treinamento de pessoal, serviços de inteligências de segurança capazes de levantar informações detalhadas sobre ataques descobertos, serviços de testes de penetração especializados, auditorias de apps, investigação de incidentes, e mais.

O “mais” aqui inclui nosso novo serviço – KTL (Kaspersky Threat Lookup) – o microscópio para dissecar objetos suspeitos e descobrir sua fonte e rastrear histórico de ciberataques, correlações multivariadas, e graus de perigo para infraestrutura corporativa. Um verdadeiro raio-X de ciberameaças.

Na verdade, todos os nossos usuários possuem a versão “lite” do serviço. O nível de segurança de um arquivo pode ser verificado com nossos produtos domésticos, porém clientes empresariais precisam de uma análise de ameaças mais profundas.

Para começo de conversa, o KTL pode ser usado para verificar arquivos, URLs, endereços de IP e domínios. Pode analisar objetos tendo em mente ataques específicos, bem como consideração de especificidades estatísticas e comportamentais, dados WHOIS/DNS, atributos de arquivos, download chains e outros.

Leia em:+1 Serviço de Inteligência Empresarial: Apresento nosso novo Raio-X de ciberameaças!

StoneDrill: Encontramos um Malware como o Shamoon só que mais poderoso – bem mais poderoso.

Se você é um leitor regular do blog, você já deve saber do GReAT (sigla em inglês que significa em tradução livre, Equipe de Análise e Pesquisa Global) – são mais de quarenta especialistas em cibersegurança por todo o planeta especializados em proteger nossos clientes das ciberameaças mais sofisticadas. Os membros desse time gostam de comparar os trabalhos que desenvolvem com paleontologia: explorar as profundezas da internet a procura de “ossos” de “cibermonstros”, alguns podem considerar essa abordagem ultrapassada, porque você analisaria fósseis de criaturas do passado se são os monstros de hoje que ameaçam a rede? Bem, tem uma história bem legal que prova que não é possível encontrar os monstros do presente sem olhar o passado.

Alguns de vocês devem conhecer os wipers – tipo de malware que uma vez instalados em computadores, apagam todos os seus dados – deixando o dono do computador com um hardware limpo e não operacional. O mais famoso (e infame) desse tipo é o Shamoon – malware que fez bastante barulho no Oriente Médio em 2012 ao destruir dados de mais de 30.000 terminais na maior empresa de petróleo do mundo – Saudi Aramco, atingindo também outra gigante do setor energético – a Rasgas. Apenas imagine: 30.000 computadores inoperáveis na maior empresa de petróleo do mundo.

Shamoon, Shamoon 2.0, Stone Drill, Newsbeef. Os wipers estão se espalhando pelo mundo. 

Curiosamente, desde sua campanha devastadora contra a empresa saudita, não se ouviu falar muito do Shamoon, até seu retorno em 2016 sob a alcunha de Shamoon 2.0, com diversas novas ondas de ataque – novamente no Oriente Médio.

Desde o começo das novas ondas de ataque do Shamoon, ajustamos nossos sensores em busca de tantas versões desse malware quanto possível (porque convenhamos, não queremos que nenhum dos nossos clientes seja atingido por um malware como o Shamoon). E de fato conseguimos encontrar diversas versões. Todavia, juntamente com o Shamoon, nossas redes pegaram um tipo completamente novo de wiper, que chamamos de StoneDrill.
Leia em:StoneDrill: Encontramos um Malware como o Shamoon só que mais poderoso – bem mais poderoso.

Photostream do Flickr

Instagram

O Panóptico da Patente de Darwin- Parte 3.

A ingenuidade humana nunca para de me surpreender, isso sem falar na burrice. Veja isso:

Não, sério. Esse diagrama consta na patente estadunidense para uma “máquina de chutar bundas”.

Mas espere – melhora quando tudo é descrito em palavras!

“O chutador de bundas é bem ergonômico com diversas repetições de chutes, velocidades de operação, amplitude ou altura do círculo de chute, magnitude da força, impacto e energia controlados pelo operador do chute. Essa invenção se trata de uma máquina nova e única de usos múltiplos que variam de diversão para arrecadação de fundos, e de motivação a disciplina. Os objetivos são também muitos, para inspirar ‘criatividade, e ser usada para modelos de dispositivos futuros e trabalhos artísticos”. 

A propósito, existe toda uma indústria (bem quase) dedicada a administrar chutes cuidadosamente espaçados no traseiro. Mais um esquema desse tipo de engenhoca descoberta na base de dados de patentes (quem procura, acha):

Leia em:O Panóptico da Patente de Darwin- Parte 3.

Insira seu endereço de e-mail para se inscrever no blog