Apelo: a Internet devia ser uma zona desmilitarizada

Qual é a diferença entre um míssil nuclear e malware?

A resposta não é difícil – o malware pode ter a mesma importância tática que um míssil, mas um míssil não pode ser usado para destruir o malware. Com as ferramentas certas, um míssil pode ser “desviado por malware”, mas nenhum tipo de poder de fogo pode acabar com o software malicioso a partir do momento em que este é ativado.

Ao contrário das armas tradicionais, o malware pode replicar-se indefinidamente. E enquanto um míssil pode ser controlado de alguma forma, o malware tem tendência para atacar indiscriminadamente: ninguém sabe quem é que vai ser prejudicado, nem que caminhos o malware poderá percorrer até chegar ao seu destino. Nos recantos insondáveis da rede, a partir do momento em que um black hat lança um programa malicioso para ganhar dinheiro fácil, tudo pode acontecer. É impossível calcular que efeito terá, o que será infectado por acidente, e pode até ser que o feitiço vire contra o feiticeiro, prejudicando os seus próprios criadores. Há uma probabilidade de cometermos erros em tudo aquilo que fazemos – e escrever códigos de programação, maliciosos ou não, não é exceção. Há vários exemplos deste tipo de “dano colateral” – falo de alguns num post anterior sobre as fortunas na Internet.

Pelo menos, alguns esforços conjuntos…