Impressoras 3D em uma Bavaria molhada

Hallo ihr alle!

Londres estava seca e ensolarada, mas ali perto uma parte da Europa Central estava sendo completamente lavada por uma chuva forte e insistente. E esta parte incluia a Bavaria: céus cinzentos e uma chuva aparentemente sem fim, nada parecido com o que geralmente se espera do verão europeu.

Este foi o cenário da Conferência de 24 horas – organizada anualmente pela empresa alemã Telekom -, em um castelo antigo e elegante na Alemanha, perto de Munique. É uma reunião entre um grupo bem heterogêneo de executivos de diferentes países, representando vários setores, para discutir os temas mais efervescentes do momento e dividir ideias para um futuro melhor, durante o dia inteiro. Bacana ;).

Munich_Germany_24_hours_conference1

Claro que me colocaram na sala com a palavra “Segurança”…

Patentes contra a inovação. Como assim?

“Patentes versus inovação”. Soa tão paradoxal quanto “abelhas contra o mel”, “estudantes contra o sexo” ou “rock contra drogas”.

Como assim? Patentes existem para proteger os direitos do inventor, gerar retorno sobre o investimento em P&D e estimular o progresso tecnológico. Bom, talvez isso funcione para várias áreas, mas hoje em dia no mundo do software definitivamente não.

Atualmente as leis de patentes sobre software são… bem, como aqueles espelhos de circo que distorcem a realidade. A legislação está tão longe do bom senso que beira o absurdo. O sistema inteiro precisa ser reavaliado, e já! Sem isso, patentes que deveriam encorajar e proteger boas ideias simplesmente não chegarão a ver a luz do dia (Bom trabalho, sistema de patentes. Espetacular).

E como a situação chegou a esse ponto?

Bem, apesar da boa intenção original – proteger os inventores – o sistema virou ferramenta de extorsão. O negócio atual de patentes é uma armadilha, um macaco cleptomaníaco com o instinto de enfiar no bolso tudo de valor que encontra pelo caminho.

Crescimento no número de processos de patentes com a participação de “trolls”

trollcase                                              Fonte: PatentFreedom

Analisemos a situação mais de perto…

Photostream do Flickr

Instagram

Hotel boutique com arte moderna

Olá!

Ainda estamos nos aventurando pelos EUA… Califórnia, Arizona, Ilinois, Kentucky e assim por diante. Assim como antes, há poucas opções para turismo (bem, com exceção do Arizona, já mencionado), enquanto as oportunidades de trabalho em várias formas e tamanhos são muitas. Ao longo do caminho, nos deparamos com várias anormalidades e atipicidades, invariavelmente fotografadas por D.Z. – antes de você ter tempo de dizer fotogênico (acho que ele está trabalhando em paralelo como fotógrafo de viagens, você sabe. De fato, tenho certeza disso!).

Aqui está uma esquisitice. Essa fica na Cidade dos Ventos:

E nossas descobertas contínuas ocasionais de Kunst (arte) moderna em nossas viagens sofreram outra virada importante quando fomos para Louisville, Kentucky, e visitamos o 21C Museum Hotel. Que lugar! Nunca vi um hotel como esse em todas as minhas longas viagens. Basicamente, como o nome sugere, é um hotel e um museu, repleto de pinturas e esculturas de arte moderna.

O hotel foi completamente reformado para acomodar todo tipo de exposições incomuns…

Insira seu endereço de e-mail para se inscrever no blog

Alguns palhaços sem circo.

Olá!

No dia 14 de dezembro tivemos nossa tradicional festa de ano novo, não muito longe do KL HQ – em algum lugar no norte de Moscou, no enorme clube Stadium-Live. Cerca de1500 funcionários e convidados da KL de todos os cantos do mundo compareceram e outros 50 KLers mais ou menos subiram ao palco para participar do megashow de músicas, acrobacias e rock teatral (para o qual praticaram seus truques, números de dança e músicas praticamente todas as noites durante dois meses), acompanhados por aproximadamente 30 artistas de circo profissional.

Esse ano, um dos meus sonhos antigos se realizou…

Marrocos: +1

Salam, pessoal!

A lista de todos os países em que estive tem +1 – Marrocos. O total chega a 72, incluindo a Antártica. É aquele tipo de coisa que você vai deixando para acrescentar depois na sua lista, mas acredito que isso seja matematicamente inevitável conforme a lista vai crescendo, e é claro que ela não leva em conta as inúmeras viagens repetidas que fiz a vários lugares…

E aqui estou eu em Marrocos – na cidade de Marrakech (às vezes conhecida como Marrakesh, mas nunca Marakesh/Marakech!). Tivemos nossa conferência anual dos parceiros europeus aqui. Normalmente temos essa conferência em algum lugar da costa europeia do Mediterrâneo, mas neste ano planejamos tê-la do outro lado do mar, ou seja, na costa africana. A conferência foi excelente: dinâmica, divertida, útil, interessante e agradável. E havia uma réplica de carro de corrida de F1 na ocasião.

Mas tudo isso que você está vendo é a parte de negócios da viagem. Agora, vamos à parte cultural…

Super Fly Finale

Ufa. Uma viagem de três semanas pelos EUA. Tem sido puxado. Tem havido muita perseverança. Mas tem sido divertido. Na verdade, uma pena ter que ir, mas o dever nos chama. Saímos com uma tonelada de fortes impressões, boas memórias e milhares de fotos. Em suma, fizemos o máximo possível dentro do tempo disponível, mas também fizemos questão de nós mesmos aproveitarmos as coisas, parando para sentir o cheiro das rosas e apreciar as paisagens. Agora, de volta ao de sempre: “fazer as malas – táxi – aeroporto…”. E lá vamos nós para a próxima, conto para vocês depois. Parece que vamos ter uma mudança total de paisagem.

O nosso último dia em Nova York foi bastante supremo, vivo: uma coletiva de imprensa formidável, da qual participaram pessoas de todo o mundo – incluindo a estrela Fernando Alonso! Ele está atuando no papel principal no novo clipe de nossa campanha Safeguarding Me (se você soubesse como nós tivemos que proteger sua “tomita” especial – o pequeno amuleto japonês no vídeo – durante as filmagens!). Veja você mesmo:

Leia em:Super Fly Finale

Fórmula EUA

Olá!

Ainda nas estradas da América… com um episódio ainda mais divertido. Dessa vez, voaremos de Nova York e seguiremos para a capital do Texas. Houston? Não. Dallas? Não. Austin? Sim! Por quê? Para ver a Fórmula 1 conquistar a América, é claro!

Até agora, nosso tour pelos EUA passou por lugares como: LA – ArizonaChicago – Louisville – Miami – Boston – Nova York. E agora estamos de volta ao ensolarado sul, dando uma olhada na F1. A competição fez tentativas repetidas no passado de funcionar nos EUA, assim como faz em grande parte dos outros países do mundo, mas nunca com êxito – assim como o futebol também nunca decolou completamente aqui. Porém, a F1 realmente deseja conquistar a Terra Incógnita – de modo tão bem-sucedido quanto, vejamos, o uísque escocês, o vinho francês e a vodca Stolitchnaia! Acho que escolhi o Texas por ser um local ambicioso – desde, claro, que você “não mexa com o Texas” – mas, se eles se derem bem aqui, a América será conquistada!

Leia em:Fórmula EUA

Saudações a Harvard

Três semanas na estrada e contando… não, isso não pode estar certo, pois perdi as contas! De tudo. O número de voos, hotéis, cidades, táxis, camareiras simpáticas e, é claro, os zilhões – mais ou menos – de entrevistas, mesas-redondas, apresentações, palestras, reuniões com parceiros e negociações. Estou um pouco confuso em relação ao que e onde dos últimos 21 dias. Se eu me esforçar muito e realmente fizer a velha memória funcionar, alguns bits de dados espaço temporais começarão a aparecer, mas as coisas ainda estão embaralhadas. A melhor maneira de fazer o conhecimento pegar no tranco é examinar meus arquivos fotográficos – minhas próprias fotos pessoais no meu laptop (desculpe, vou mantê-las apenas para mim!) e públicas – no Flickr e no Instagram.

Ontem estávamos no lugar onde o Tea Party liderou nada menos do que a Revolução Americana – Boston. Vou pular a parte de negócios do dia e seguirei diretamente para a parte mais interessante, quando conferimos alguns dos pontos turísticos obrigatórios do local, na verdade, um em particular.

Os subúrbios de Boston, na Comunidade de Massachusetts (título de estado oficial curioso considerando a associação desse lugar com a luta do país com a comunidade original, maior e pior comunidade! Talvez não, afinal, estamos na Nova Inglaterra :), lar da mais antiga, mais respeitada, mais prestigiosa (e tenho certeza de que há muitos outros mais que poderiam ser atribuídos a ela) universidade dos EUA (do mundo?). Claro que estou falando de Harvard, na cidade de Cambridge (não confundir com a cidade homônima do Reino Unido – também lar de uma universidade com muitos adjetivos acompanhados de mais).

Dizer que esse lugar é impressionante dificilmente seria uma surpresa. Claro que impressiona. Há uma aura especial em torno dele – a aura inconfundível do meio acadêmico, algo que eu respeito e do qual tenho boas lembranças (em meu país natal). Uma atmosfera literária mágica em um pano de fundo de arquitetura clássica dos séculos 18e 19. Um luxo!

Não foi à toa que o filme ganhador do Oscar Mente Brilhante foi rodado aqui.

Isso já diz tudo. Deixe que as imagens digam muito mais do que mil palavras poderiam…

Leia em:Saudações a Harvard