Arquivos de tag para “na estrada”

Altai – 2016: Parque aquático Kantun

Depois das corredeiras do Shyoki, o Katun se converte em um rio relativamente calmo e permanece dessa forma por 200 quilômetros, no qual a corrente é mais suave (mesmo que forte) e raramente interrompida. Ao redor temos montanhas, florestas e campos, nem uma viva alma em quilômetros, além de nós. Nem sequer vimos animais além de alguns patos e outros pássaros.

Nosso bote com turistas a bordo foi rio abaixo, o capitão permaneceu silencioso, não deu ordens para remarmos, de modo que aproveitamos a paisagem enquanto flutuávamos.  O sol apareceu e nos aqueceu. Estávamos em estado de meditação próximos ao nirvana.

Leia em:Altai – 2016: Parque aquático Kantun

Altai – 2016: Margens e corredeiras

Antes, quando ouvi as palavras Rio Katun, ou apenas Katun, imaginei correntes violentas e rafting.  Foi a primeira coisa que veio na minha cabeça.  Agora,  essa ideia está completamente fixada na minha cabeça depois de mais de 400 km de rafting rio abaixo. Contudo, o Katun não é feito apenas de água e rafting, é também um lugar repleto de beleza sublime.

Leia em:Altai – 2016: Margens e corredeiras

Photostream do Flickr

Instagram

Altai-2016: Heli-Belukha e Aqua-Katun

Isso nunca havia ocorrido, mas aqui está, acontecendo mais uma vez.

Quem diria “não” perante a chance de voar de helicóptero acima de montanhas e vales? Sem mencionar,  voar pela primeira vez acima de Belukha, além da conveniência de levar todo seu equipamento de rafting para a montante do Rio Katun.

Por que usar palavras, afinal? Este é um lugar para fotos,  não palavras….

Leia em:Altai-2016: Heli-Belukha e Aqua-Katun

Insira seu endereço de e-mail para se inscrever no blog

Altai-2016: Monte Belukha Multi-colorido

Nosso primeiro destino foi o monte Belukha. É bem famoso, mas só em alguns ciclos. O que é uma pena, porque o lugar é absolutamente incrível! Lindo, monumental, enorme, Temos neve, geleiras, formações rochosas coloridas, vegetação, rios glaciais e cachoeiras com água pura e geladinha. Decidimos começas com a Vila da Pedra, um lugar cult para conhecedores e fãs de Roerich e suas forças secretas da natureza na busca de um Altai Shambhala. Uma caminhada ao longo do “Desfiladeiro do Jarl” leva ao córrego de mesmo nome (veja aqui).

A Vila da Pedra não causou muito entusiasmo. Um dos integrantes do nosso grupo a descreveu como um amontoado de entulho em um local cult.

Leia em:Altai-2016: Monte Belukha Multi-colorido

Altai-2016: o grande curso d’água.

Olá pessoal!

Altai está entre os lugares mais fascinantes e mágicos no planeta.

Não é apenas bonito, vai além disso. Pode ser algum tipo de energia especial nas pedras ou algo desconhecido por nós.  As cores são mais vívidas, a água tem um “sabor” melhor,  o verde é mais verde e as montanhas contrastam melhor com os arredores.  Tive a chance de passar três semanas em Altai com um grupo de colegas aventureiros.

Fizemos trilha, voamos de helicóptero e rafting (Rio Katun a baixo).

No fim, caminhamos 70 km até o Lago Akkem, e depois ao longo dele, voamos pelo monte Belukha de helicóptero, chegando à jusante do Katun, fizemos então rafting até a parte mais baixa do rio – quase 400 km a frente, chegando a descer de uma altitude de quase 1km.

E era essa a cara de tudo.

Leia em:Altai-2016: o grande curso d’água.

Fim de semana nas alturas

vulcanismo é um dos meus passatempos preferidos. Tenho verdadeiro fascínio em escalar o vulcões pelo planeta. Há algo em sua beleza, poder, força, vitalidade, ardor, lavas, crateras, caldeiras, lagos… deu para perceber minha paixão, né?

Mas nem tudo são flores, escalar vulcões tende a ser doloroso: normalmente, vários dias são necessários, em alguns casos várias semanas, para explorá-los bem. Eles são enormes, com difícil acesso e frequentemente estão localizados em conjunto. Mas um dia me falaram sobre o Monte Aragats: um “fim de semana vulcânico” especial.

E aqui está. Como você pode ver, não é muito longe da capital da Armênia – diminuímos o adjetivo “inacessível” da lista. É grande e tem mais de um pico. Tudo isto justifica a necessidade de um fim de semana :). Curto, mas suficiente para uma experiência única, veja nas fotos:

Leia em:Fim de semana nas alturas

NADANDO PELO MUNDO – PARTE 2

Muito bem. Seguimos marchando nadando, até a seguinte parada de ônibus do nado internacional, Europa.

  1. Mar quente, Santorini.

Santorini é uma ilha vulcânica, e uma ilha-vulcão. É realmente um anel de ilhas, que são os restos da caldeira de um gigantesco vulcão milhares de anos atrás, tem um vulcão crescendo dentro do anel, que, ocasionalmente, entrou em erupção e fica maior . Eu estive em Santorini não muito tempo atrás, e tenho falado muito sobre esse lugar neste blog.

world-best-swim_1

As únicas fontes de água termal do mundo estão em Santorini. Ao menos, as únicas que o mundo conhece. A água quente nasce no fundo do oceano, fazendo com que ela seja mais quente do que em outros lugares.

Leia em:NADANDO PELO MUNDO – PARTE 2

Nadando pelo mundo – Parte 1

A prática de esportes radicais recentemente nas águas da Groelândia ensolarada me fizeram ter uma ideia. Talvez eu pudesse tentar mergulhar na minha memória para recordar alguns dos momentos incomuns, interessantes e divertidos que nadei em todo o mundo – um “Top dos melhores lugares para nadar”. Nadar, dar um mergulho, ou simplesmente mergulhar o corpo em água, com em banheiras de  hotéis, que eu já fiz várias vezes, em todos os tipos de lugares estranhos e maravilhosos…

Tomar um banho: é um tema interessante – especialmente agora, durante a temporada de verão europeu, viagens para a praia e sugestões de atividades aquáticas estão aqui. É bom aproveitar o momento já que alguns de vocês estão perto de uma piscina, lago, mar ou oceano agora, e podem correr o risco de perder o melhor. Assim, sem mais delongas, vamos começar com as atividades aquáticas.

Agora, o plano é este: vou tentar limitar as experiências e sugestões em águas naturais. Mega piscinas, parques aquáticos e spas não estarão incluídos nessa lista. Eu vou tentar discutir apenas experiências mais incomuns e orgânicas. A ideia é literalmente nadar por todo mundo: América, Europa, África, Ásia e Austrália. Eu não vou falar sobre Antártica porque não consegui nadar por lá. Claro que  se alguém acha que falta algo na lista, por favor nos diga, mande comentários. Vamos adorar suas sugestões….

Vamos começar pela América do Norte.

Leia em:Nadando pelo mundo – Parte 1

Groenlândia ou mundo de fantasia?

Recentemente, enquanto atravessava o atlântico, nosso correspondente especial, N.Sh., enviou um relato ao vivo detalhando um item inteiramente positivo do serviço de bordo de aviões transatlânticos.

Eu cito:

Delta- Esses caras são apenas maravilhosos. Por apenas mais ou menos $20 você pode ter internet ilimitada- por todas as 9 horas de voo!!

Wow, eu tenho que viajar de Delta na próxima vez. Hmmmm. Onde será que está aquele post sobre o serviço terrível de transatlânticos? A sim- aqui. Mas era sobre a United. Mesmo assim, são todas companhias aéreas americanas. No entanto, internet ilimitada ao invés de nenhuma internet, já ajuda em muita coisa. Se houver internet- mais algum lugar pra carregar seu notebook- não há nada mais que um viajante de negócios precisa, há?

Enfim. De volta ao nosso correspondente…

Então, como eu disse, ele estava atravessando o Atlântico norte. Mas em um ponto ele estava sobre a Groenlândia. E o que ele viu pela janela? Uma área verde? Uma área branca? Na verdade- nenhum dos dois. Apenas branco. Só isso…

Leia em:Groenlândia ou mundo de fantasia?

Groenlândia – Parte 8 – Acomodações e espaços “urbanos”

Então, como é a situação de hospedagens para visitantes na Groenlândia? Na verdade, não tão ruim assim. Hotéis básicos decentes, quartos confortáveis, alguns confortos materiais que você encontra normalmente em bons hotéis, e boa comida. O único ponto contra: a velocidade da internet, e limitada.

Aqui está o hotel em Nuuk  em que nos hospedamos, visto de fora e por dentro…

Leia em:Groenlândia – Parte 8 – Acomodações e espaços “urbanos”